O que significa “Slava Ukraini”? Significado, definição, explicação


Slava Ukraini (Слава Україні) significa “Glória à Ucrânia”. Também poderia ser traduzido como “Viva a Ucrânia” ou “Glória à Ucrânia”.

Literalmente, Слава significa “glória”. O slogan tornou-se internacional através dos discursos do Presidente ucraniano Selenskyj ao seu povo desde o início da guerra em Fevereiro de 2022, mas tem sido sempre uma saudação comum na própria Ucrânia. As forças armadas ucranianas têm-se cumprimentado oficialmente com “Слава Україні, Героям Cлава” (Glória à Ucrânia e Glória aos seus Heróis) desde 2018.

Resposta a Slava Ukraini: Herojam Slava

Resposta a “Slava Ukraini”: “Glória aos heróis” (“Героям слава!”; romanizado: Herojam Slava))

O que significa “Slava Ukraini”? História, significado, definição, explicação

A frase é conhecida o mais tardar desde 1840, quando o poeta nacional ucraniano Taras Shevchenko a utilizou num poema (До Основ’яненка = “Para Osnovayenko”). Depois, no final do século XIX, a comunidade estudantil ucraniana em Kharkiv utilizou o slogan juntamente com a adição “Glória a toda a terra”!

Entre 1917 e 1921, a Ucrânia travou uma guerra de independência contra os bolcheviques, vitoriosos na Rússia, que estavam a trabalhar no seu império soviético e queriam dominar a Ucrânia no processo. Os partidários ucranianos saudaram-se mutuamente com Slava Ukraini. Um deles, o escritor Yuri Horlis-Horskyj, descreveu mais tarde que os partidários responderam sempre à habitual saudação “Bom dia” com “Slava Ukraini”. Os cossacos da região, que eram amargos opositores dos bolcheviques, complementaram a saudação com “Kosakam Slava”! (Glória aos Cossacos!). Diz-se mesmo que esta saudação foi difundida juntamente com “Glória ao Hetmanate” e “Glória à Ucrânia” a partir do século XVI. O Hetmanat foi um território cossaco e tártaro na região da actual Ucrânia entre os séculos XVI e XVIII.

Após o fim da mal sucedida guerra de independência contra a Boschewiki e a anexação da Ucrânia à União Soviética como a “República Socialista Soviética Ucraniana” a partir de 1922, os nacionalistas ucranianos apropriaram-se da expressão Slava Ukraini, que por sua vez associaram à “Glória aos Cossacos”. A partir de 1939, a OUN (Organização dos Nacionalistas Ucranianos) adoptou o slogan. Esta organização lutou contra as tropas alemãs e soviéticas na Segunda Guerra Mundial, e contra estas últimas até 1952, após o que foi derrotada, a Ucrânia continuou a ser uma república soviética, e o poder soviético proibiu subsequentemente o slogan Slava Ukraini. Importante de saber: Os combatentes da OUN não eram órfãos. Tal como as tropas alemãs e soviéticas, também eles cometeram crimes de guerra. Mas eles não eram fascistas, embora anti-comunistas, mas simplesmente nacionalistas. Este movimento ainda hoje está vivo na Ucrânia. Baseia-se na tradição dos cossacos, que continuou depois de 1952. Em 1957, por exemplo, o autor ucraniano Mychajlo Stelmach retomou o slogan num romance e, ao mesmo tempo, apelou à defesa da glória cossaca que existia na Ucrânia. O seu livro não foi proibido pelas autoridades soviéticas, mas mal traduzido em russo, a fim de suavizar a tendência nacionalista. A este respeito, é importante saber que em todo o domínio estalinista, incluindo os estados do bloco oriental (também na RDA), as tendências nacionalistas foram toleradas em certa medida porque os governantes comunistas assumiram que não podiam ser completamente suprimidos. A RDA, por exemplo, permitiu assim que o partido do bloco NDPD (Partido Nacional Democrático da Alemanha), no qual ideias conservadoras de extrema-direita foram reunidas. No entanto, os comunistas tiveram o cuidado de não dar demasiado espaço a estas ideias.

Isto foi particularmente importante na União Soviética multi-étnica. Agora, em 2022, quando Vladimir Putin fala repetidamente de “nazis” no governo ucraniano, invoca o facto de o actual governo ucraniano sob Selenskyj usar o slogan Slava Ukraini de forma bastante ofensiva, assumindo assim uma tradição nacionalista. No entanto, o slogan nada tem a ver com fascismo (nazis), mas sim com nacionalismo.

Não é de admirar que o Putin pós-comunista atraque aqui: é um método experimentado e testado pelos comunistas para difamar todos os seus opositores como anticomunistas e ao mesmo tempo como nazis, porque a história do século XX pode ser lida como um grande conflito entre o comunismo e o fascismo. De acordo com isto, todos os anti-comunistas são automaticamente nazis. Isto também foi tentado na RDA: Ali, por exemplo, políticos conservadores de direita como Franz-Josef Strauß (CSU) gostavam de ser colocados no canto nazi. Mas isso é errado. A linha de conflito mais importante é (e foi durante a Segunda Guerra Mundial) entre democracias e ideologias extremistas como o comunismo, o fascismo e, há já algumas décadas, o islamismo. Os nacionalistas não são ideólogos, mesmo que por vezes recorram a métodos extremos na sua busca de liberdade. Eles simplesmente defendem a sua nacionalidade historicamente crescida.

Renascença de Slava Ukraini a partir do final da década de 1980

Em 1985 Mikhail Gorbachev tornou-se Secretário-Geral do CC do CPSU, e em 1990 tornou-se finalmente Presidente da União Soviética. Mesmo como Secretário-Geral, teve grande influência. Ele introduziu o fim do regime comunista clássico, pelo qual a Europa Oriental (incluindo a Alemanha Oriental) lhe agradece de todo o coração e o resto do mundo pelo menos o admira, enquanto na Rússia tem muitos adversários (incluindo Vladimir Putin).

Gorbachev soltou as rédeas de ferro do regime soviético já no final dos anos 80, o que levou a um aumento das aspirações nacionalistas nas repúblicas soviéticas. Desde então, o slogan Slava Ukrajini tem sido novamente ouvido abertamente na Ucrânia. Logo se tornou um grito de comício nas manifestações, mas também foi retomado por intelectuais, tais como o activista dos direitos humanos Vyacheslav Chornovil, num comício em 1989. Nessa altura, a Ucrânia ainda era governada pelo presidente pró-russo Leonid Kravchuk, que queria aderir à União de Estados Soberanos iniciada pela Rússia no início dos anos 90. Muitos ucranianos protestaram contra isto a partir de 1991, cantando “Glória à Ucrânia”, ao qual acrescentaram “Vergonha a Kravchuk”.

Finalmente, em 2004, o pró-russo Viktor Yanukovych chegou ao poder numa eleição presidencial descaradamente manipulada. Os ucranianos protestaram vigorosamente contra isto (“Revolução Laranja”). O seu líder da oposição, Viktor Yushchenko, dirigiu-se aos manifestantes com Slava Ukraini, ao qual acrescentou “Glória ao nosso Deus, glória a cada um de vós”.

Depois de Yanukovych se recusar a assinar um acordo de associação com a UE em 2013 sob pressão russa e provavelmente também por convicção própria, começaram os protestos que ficaram na história como “Euromaidan” porque o seu centro era a Praça das Criadas de Kiev, e no qual o slogan Slava Ukraini desempenhou um papel muito decisivo. Houve também muitas mortes entre os manifestantes, mas estes não desistiram e acabaram por conseguir que Yanukovych fosse deposto e fugisse para a Rússia. Um governo de transição emergiu a partir de 2014, mais tarde um governo sob o bilionário Petro Poroshenko, e a partir de 2019 Volodymyr Selenskyj governou após eleições regulares. Também ele tomou a sua deixa de Slava Ukraini, embora não muito ofensivamente no início. Teve de enfrentar factos difíceis: houve uma guerra no Donbass contra uma população separatista de origem russa, e a Crimeia tinha sido anexada pela Rússia em 2014. A espada de Dâmocles de uma invasão russa pairava sobre o país praticamente desde 2014. Quando isto finalmente começou, em Fevereiro de 2022, Selenskyj recordou o slogan Slava Ukraini, que desde a Euromaidan, o mais tardar, tem defendido as aspirações do povo ucraniano a avançar de forma autodeterminada com os seus laços ao Ocidente, a fim de poder existir como um Estado constitucional democrático e liberal.

É de notar, contudo, que o slogan não perde a sua conotação nacionalista devido a isso. Isto talvez seja também necessário, porque na Ucrânia, onde vivem muitas pessoas com raízes russas, há necessidade de uma forte auto-imagem nacional. Um censo no início dos anos 2000 encontrou 77,8% de ucranianos no país, seguidos por 17,3% de russos. Além disso, existem mais de 100 outros grupos étnicos. Agora que Putin desencadeou uma verdadeira guerra contra o grande país vizinho de 44 milhões de pessoas, Slava Ukraini tornou-se o grito de batalha por excelência para o desejo de independência e liberdade dos ucranianos. É por isso que Selenskyj termina cada um dos seus discursos heróicos de Kiev cercado com este slogan (a partir de 9 de Março de 2022).


BedeutungOnline.de-Newsletter: Jetzt eintragen

*1 Hinweis: Nach Klick oder Tippen auf den Link werden Sie zur Anmelde-Seite unseres Newsletter-Anbieters Sendinblue weitergeleitet.

Der Newsletter erscheint wenige Male im Monat. Er ist eine persönliche Nachricht von Pierre von BedeutungOnline.de und informiert Sie über interessante neue Einträge, Worte des Zeitgeschehens, Jugendworte und interessante Worte.


Importância actual de Slava Ukraini

Na Ucrânia, Slava Ukraini tem sido uma saudação generalizada entre os cidadãos de espírito democrático que constituem a grande maioria da população (incluindo muitas pessoas com raízes russas) desde 2013. Desde então, o slogan tem representado estes valores:

  • a independência do Estado (especialmente da Rússia)
  • Democracia e laços ocidentais
  • Liberdade
  • Unidade do país

A adição “Glória aos heróis” também recebeu um novo conteúdo. Desde a Euromaidan, representa os activistas que perderam a vida a lutar contra o governo Yanukovych. Afinal, só a 18 de Fevereiro de 2014, mais de 100 pessoas foram mortas pela violência policial durante a Euromaidan: até franco-atiradores tinham disparado contra a multidão que protestava. Na Ucrânia, estes heróis têm sido desde então chamados os “Cem Cem Celestiais”.

Actualmente, a legislação da Ucrânia é influenciada pelas ideias da Euromaidan. Isto tornou-se um mito fundador da Ucrânia moderna e orientada para o Ocidente. Com os Slava Ukraini agora utilizados na guerra, um novo mito, ainda mais profundo, está a estabelecer-se, já baseado nas raízes: Desde cerca de 2015, todos os discursos oficiais no país terminaram obrigatoriamente com Slava Ukraini. A selecção nacional de futebol ucraniana usa o slogan nas suas camisolas. Mesmo a nível internacional, é conhecida há muito tempo.

Até chefes de estado de outros países a utilizam. Em 1995, por exemplo, o então Presidente dos EUA Bill Clinton saudou num discurso que a Ucrânia se afastou da União Soviética e, ao mesmo tempo, desarmou as armas nucleares. O seu discurso terminou com “Deus abençoe a América” e “Slava Ukraini”. O Primeiro-Ministro do Canadá Justin Trudeau saúda a Ucrânia com estas palavras todos os anos no Dia da Independência, e o antigo Ministro dos Negócios Estrangeiros alemão Sigmar Gabriel também as tem usado em ocasiões cerimoniais. A Presidente da Lituânia, Dalia Grybauskaitė, seguiu o exemplo em 2016.

O que é bom para os políticos, alguns atletas acharam barato: os profissionais croatas Domagoj Vida e Ognjen Vukojević, ambos antigos jogadores do Dynamo Kiev, saudaram a vitória da Croácia contra a Rússia nas quartas-de-final do Campeonato do Mundo de 2018 na Rússia com “Slava Ukraini” e foram subsequentemente avisados pela FIFA após protestos da Rússia. Este incidente já demonstrou na altura que Slava Ukraini representa hoje sobretudo a emancipação do país do seu vizinho grande, avassalador e expansionista.

Autor: Pierre von BedeutungOnline

Hallo, ich bin Autor und Macher von BedeutungOnline. Bei BedeutungOnline dreht sich alles um Worte und Sprache. Denn wie wir sprechen und worüber wir sprechen, formt wie wir die Welt sehen und was uns wichtig ist. Das darzustellen, begeistert mich und deswegen schreibe ich für dich Beiträge über ausgewählte Worte, die in der deutschen Sprache gesprochen werden. Seit 2004 arbeite ich als Journalist. Ich habe Psychologie und Philosophie mit Schwerpunkt Sprache und Bedeutung studiert. Ich arbeite fast täglich an BedeutungOnline und erstelle laufend für dich neue Beiträge.


Gefällt dir BedeutungOnline.de? Wenn du BedeutungOnline.de nützlich findest, dann nimm dir bitte eine Minute Zeit und gib mit einer Spende etwas zurück. Schon eine kleine Spende hilft BedeutungOnline weiter für dich zubetreiben und neue Artikel zu schreiben. Mehr Infos, wie du BedeutungOnline.de unterstützen kannst, findest du hier. Danke! Melde dich für den persönlichen BedeutungOnline.de-Newsletter an. Das geht hier.

Schreibe einen Kommentar

Deine E-Mail-Adresse wird nicht veröffentlicht.